26/02/2022 às 08h04min - Atualizada em 26/02/2022 às 08h04min
Justiça baiana condena empresa de vistoria a indenizar cliente que comprou carro clonado


Uma empresa de vistoria de veículos da Bahia terá que indenizar uma consumidora por permitir que ela comprasse um carro clonado. A 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) manteve a condenação imposta pela 5ª Vara Cível e Comercial de Salvador, em indenizá-la em R$ 10 mil por danos morais e R$ 18,5 mil por danos materiais, com correção monetária. 
 

Segundo a ação, a consumidora comprou um carro em junho de 2012 e contratou a empresa para avaliar o bem e fazer uma vistoria antes de fechar o negócio. A seguradora era credenciada ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran). A empresa emitiu um laudo certificando que não havia encontrado evidências de adulteração. Por ter recebido o aval da empresa, a mulher fechou o negócio e pagou R$ 16 mil pelo carro e investiu mais R$ 2,5 mil para instalar ar condicionado e direção hidráulica no veículo. 

 

Tempos depois, ao decidir vender o bem, a mulher foi surpreendida com a informação de que o carro era clonado. Ela soube da adulteração quando foi realizar a transferência para o novo proprietário do veículo. A mulher foi obrigada a deixar o veículo no Detran para a perícia identificar a origem da clonagem. 

 

Por conta disso, foi obrigada a devolver o valor à nova compradora, tendo sofrido um prejuízo financeiro, além de decepção e humilhação, que a atingiram de maneira intensa. Na ação, ela pediu indenização por danos materiais e morais pelos abalos sofridos. Em sua defesa, a empresa de vistorias afirmou que a verificação de irregularidades é de competência do próprio Detran e que não deu causa à adulteração, clonagem ou similar, além de que não houve provas de ocorrência de danos morais. 

 

O juiz Antonio Gomes de Oliveira Neto, da 5ª Vara Cível e Comercial de Salvador, afirma que é incontestável que “as empresas de vistoria respondem pelas informações e dados que fazem constar de seus laudos, devendo elaborá-los fidedignamente”. "Na hipótese dos autos, constata-se evidente a falta de cuidado da parte ré na prestação do seu serviço à parte autora, quando da elaboração do laudo de vistoria que impulsionou a conclusão errônea de inexistência de adulteração do chassi de seu veículo, mormente por ser inerente à atividade prestada por aquela, que deve aferir a regularidade dos fatos, a fim de evitar-se os transtornos consoante os relatados no caso”, avaliou o magistrado. Para ele, “houve o cometimento de ato ilícito por parte da ré, decorrente da falha na prestação do serviço, restando caracterizado o nexo de causalidade com os danos causados à parte autora”.

 

Na sentença, o juiz de piso aponta que é inegável o “abalo moral experimentado pela parte autora, consubstanciado no constrangimento, cuja situação, induvidosamente, gerou em seu espírito, sentimento de impotência, revolta e inconformismo, afetando seu estado emocional e psicológico, mormente quando teve o veículo retido pelo órgão de trânsito, não podendo mais dele dispor, o que impõe a responsabilização do ofensor”.

 

A empresa recorreu da decisão, que foi mantida pela 5ª Câmara Cível do TJ-BA. O relator, desembargador José Aras, ao manter a decisão, afirma que, apesar da empresa não ter dado origem à adulteração, ela responde pelas informações de laudos. “Não merece acolhimento a alegação do apelante de que não restou preenchido os requisitos da responsabilidade civil, uma vez que, malgrado a conduta ilícita não tenha partido dele, houve falha na prestação do serviço deste, nos termos do art. 14 do CDC [Código de Defesa do Consumidor], quando da elaboração errônea do laudo. Dever de indenizar configurado”, diz o acórdão.

 

 

por Cláudia Cardozo - Bahia Notícias

 
   
NOTÍCIAS RELACIONADA
TJ-BA designa oficiais de justiça para cumprir mais de 6 mil mandados em Luís...
Justiça decreta prisão temporária de PM que matou lutador em...
Quatro assaltantes de Vitória da Conquista foram condenados por promoverem arrastão durante festa em...
MP denuncia dois homens por intolerância e discriminação religiosa em...
GALERIAS
CLASSIFICADOS